,

Esgotamento criativo?

Foto: Pinterest

03/09/2021

Essas duas últimas semanas foram meio estranhas por aqui! Para falar a verdade, não sei se foi as duas últimas semanas ou se foi algo de repente. É que eu entrei num colapso interno de ansiedade esses dias e isso deu uma bagunçada na minha rotina. Senti uma enorme vontade de desistir de várias coisas, mas a ideia de que eu não poderia desistir começou a brigar dentro de mim e fiquei desestabilizada.

Teve um dia que coloquei a culpa no frio, "porque eu não me sinto produtiva no frio", mas depois comecei a colocar a culpa na minha desorganização, na minha casa, no meu sono, em tudo. E sem solução encontrada. Até arrisco dizer que se tudo isso estivesse ok ou perfeito, o sentimento ainda estaria aqui.

Eu sempre tenho esses momentos e é como se meu corpo e mente suplicassem por uma pausa. Pausa da vida corrida, das notificações do meu celular, da necessidade de produzir conteúdo. Isso tudo cansa. Tem certos momentos que queria só ser eu mesma, sem necessidade de "prestar contas".

Tem uma música nova que o Kadoshi vai dançar, até já começamos a criar a coreografia dela, e a coloquei para tocar, mas eu não queria dançar a coreografia, eu queria dançar qualquer coisa, que meu corpo conduzisse os passos espontaneamente. Eu poderia ter terminado e coreografar? Poderia. Mas naquele momento eu só queria dançar.

E hoje eu conheci uma música nova que me fez ter vontade de criar algo. Até comecei a ensaiar uns passos de acordo com o que sentia, mas logo desisti depois de querer gravar. O peso de ter um vídeo artístico na dança é demais para mim.

Tive que usar muito minha criatividade e acho que fiquei cansada! Faz parte. 

salto temporal

12/03/2022

Estava lendo o livro Despertar Criativo de uma das minhas musas criativas Fernanda Longoni e sua irmã Amanda Longoni, e me deu uma vontade de criar. Coincidentemente, resovi reler alguns rascunhos aqui do blog (vocês não tem noção do quanto tem por aqui) e cai nesse relato do ano passado. O mais louco - ou incrível, depende do seu ponto de vista - é que no livro retrata muito sobre colocarmos no mundo nossas ideias, compartilhar para que outras pessoas possam se identificar e se conectar com aquilo que foi criado. 

Como você acabou de ler meu relato pode perceber que eu fiquei com certo receio de fazer um vídeo de dança pois coloquei um peso do perfeccionismo em cima disso. E tenho percebido que tem sido uma constante por aqui, por mais que meu discurso seja anti-perfeição na maioria das vezes, algumas coisas ainda são difíceis de não gerar altas expectativas. 

Uma das coisas que as autoras retratam no livro é sobre a resiliência em terminar o que está criando, pois muitas vezes finalizar um projeto, uma história ou uma arte é mais difícil do que parece. Quando definimos que algo terminou não há a possibilidade de "melhorar" aquele projeto, pois nunca estamos satisfeitos com aquilo que produzimos. È mais fácil ter um projeto que não batemos o martelo sobre seu fim e poder "melhorá-lo", do que finalizar algo que achamos não estar bom o suficiente. Segredo: nós nunca vamos achar que está bom o suficiente.

Como por exemplo, esse texto. O meu relato estava largado nos rascunho assim como tantos outros, mas hoje eu resolvi finalizar, mesmo 6 meses depois de tê-lo escrito. Se eu acho que agora está perfeito? Longe disso, mas pelo menos finalizei.

No final das contas, o esgotamento não é criativo, mas sim das autocobranças que nos paralisam, e nos fazem sempre parar na metade, ou mesmo um pouco antes do final, pois elas geram medo e inseguranças. E eu cansei mesmo delas.

Agora me diz, devo trazer uma resenha mais completa sobre o libro Despertar Criativo por aqui? Comenta aqui embaixo.

Sim, eu ainda tenho um blog - e descobri um monstrinho

Foto: Pinterest

Ok, vou ser sincera que esse movimento de voltar toda fez que eu estou de férias já é um padrão e não consigo sair desse looping. Toda vez eu chego aqui com aquela vontade de fazer acontecer, que esse ano será diferente. Apareço por algumas postagens e... puf! Sumo por 6 meses. 

Já aceitei isso!

O que eu não aceito é eu deixar a escrita de lado sendo que é uma das formas que eu mais gostava de me expressar, hoje em dia eu danço, mas sou crítica demais para colocar isso no mundo. Um dia eu chego lá.

Esses dias comecei a ler um livro sobre escrita criativa: "Escreva essa ideia! Guia de escrita criativa: Dicas de como escrever e publicar o seu livro" - C. Nan Bianchi. E desde a primeira página estou sentindo como se houvesse um monstrinho dentro de mim dando umas saltitadas querendo sair desesperadamente.

É o meu monstrinho criativo. Vamos chamá-lo de ... me ajudem a escolher um nome, porque ele não tá me ajudando a ser criativa agora.

Ele tem me deixado algumas noites sem dormir, porque fica me dizendo que eu o tenho deixado de lado e apenas tentado uma carreira numa profissão pelo status. O que não é verdade. Eu gosto da minha profissão, só não encontrei a forma de exercê-la do jeito que eu gosto e me sinta plena de verdade. 

E discordo que o tenha deixado de lado, olha quantas coisas eu fiz em 2021, mocinho: Voltei a fazer aula de dança, tenho até arriscado fazer uns videozinhos para o Youtube - se quiser rir pode ir lá ver -, fora a aquarela e colagens (que precisam melhorar, eu sei), mas dizer que eu tenho o colocado de lado é um pouco exagerado.

Ok, talvez em alguns momentos eu tenha sido absorta no dia a dia pelo trabalho, pela ansiedade, e problemas internos com essa questão de senso de capacidade e afins, ainda não me enxergo como profissional, embora já esteja indo para o meu 2º aniversáro de formação. Inclusive, curiosidade aleatória, minha formatura será mês que vem! Sim, dá para acreditar? Ok, voltemos ao foco.

Será que uma nutricionista pode ser criativa e metida a artista? Óbvio que sim, tenho nem dúvidas disso, mas o sentimento é que minha alma anda dividida nesses dois mundos, por isso tenho tentado juntá-los, ou aquarelá-los, sabe? 

Não entendeu, né?

Eu ando assistindo tantos vídeos de aquarela que às vezes acho que tenho o direito de fazer piadas com isso - pelo jeito não né Jéssica -, mas eu explico: 

Numa aquarela usamos água e tinta, os dois juntos, dependendo da quantidade se tornam uma coisa só. A tinta precisa da água para se espalhar. E conforme vamos pintando, podemos fazer camadas, com outras cores, ou então com a mesma cor, só que com tons mais claros ou escuros. O que eu quis dizer com toda essa explicação - que nem sei se ficou clara - é que eu posso juntar as minhas habilidades num único desenho - digo vida -, ou não. Não existe regra. Esse é o legal da aquarela.

E de uma coisa que eu gosto é de saber várias coisas (essa frase ficou engraçada ou no mínimo cacofônica - Pedro corre aqui), embora possa ser superficial em alguns aspectos, nunca é tarde para aprofundar. Por isso eu estou aqui de novo - sem promessas, ok? - tentando resgatar esse hábito de escrever. O que já tenho feito num diário, que não é tão diário - tem dias que me esqueço de escrever - e o exercício tem sido bem proveitoso.

É assim que eu começo 2022, e como você começou o seu? 

Ps: Monstrinho me disse seu nome: Espírito Santo e Ele mandou lembranças. :)

Até o próximo post <3

Me expressando

Foonte: Pinterest
Por muito tempo esse espaço foi um local de refúgio para mim. E volta e meia eu venho aqui para me reconectar com a sensação de segurança e abrigo que ele me proporciona. Apesar de saber que, atualmente, as pessoas não consomem tanto conteúdo em texto, ainda mais em blogs. Eu continuo insistindo.

Só de pensar nisso me bate uma saudade da era que os blogs estavam em alta. :´)

O meu objetivo não é falar de mais um assunto que me incomoda, ou fazer mais um texto reflexivo sobre a vida (talvez sim) mas de um tema que me anima. Expressão.

Nunca fui muito boa em me expressar, ou pelo menos não do jeito "convencional". Mas aprendi que a comunicação faz parte da personalidade de cada um e deve ser trabalhada de acordo com as necessidades e as particularidades do ser chamado humano.

Eu sempre gostei de usar a arte como forma de expressão dos meus sentimentos. A escrita foi a primeira, depois vieram a dança e o teatro. Admitir que o que eu fazia - e faço - é arte e que sou uma artista (incompreendida) foi um processo argiloso, mas como podem ver, não é mais uma questão tão problemática para mim.

Não é sobre fazer arte ou não, mas sobre expressão. É mais fácil, para mim, encontrar formas de dizer o que estou sentindo com uma dança espontânea do que em palavras. Ou escrever do que dizer, embora nas duas ações abusem das palavras.

Desde que iniciei a blogar, os meus objetivos em compartilhar foram mudando. No início eu queria fazer parte do hype dos blogs, e era bem legal a sensação de comunidade que havia por aqui. Hoje em dia é mais uma terra de ninguém, que de vez em quando aparece um perdido - que eu tenho plena convicção que jogou o meu nome no Google e caiu aqui de paraquedas. 

O fato é que eu gosto daqui, sempre gostei, gosto de escrever palavras soltas na tela em branco. Mas não é só isso, eu gosto de tentar "ensinar algo" ou compartilhar alguma coisa bacana (alguém ainda usa esse adjetivo?), ou ainda escrever histórias, por mais que não estejam muito mais no meu cotidiano, por que não?

A Jéssica de 2012, 14 anos, que estava entrando no ensino médio, criou o blog para publicar textos "profundos" sobre suas desilusões amorosas, fotos inspiradoras de gatinhos e resenhas de livros enormes que lia é completamente diferente da Jéssica de 2021, 23 anos nas costas, nutricionista, empreendedora, metida a tiktoker e com algumas responsabilidades nas mãos. 

- O que essa Jéssica publicaria? Eu não sei... ainda.

*Já aviso que não vou publicar dicas de nutrição, porque isso eu já faço em outro espaço (obrigada). Se quiser acompanhar só clicar aqui

Talvez essa outra fase seja para falar dos perrengues e brilhos do empreendorismo e fazer resenhas de livros "técnicos"? Provavelmente sim, mas sem perder a essência da Jéssica que amava uma história romântica, que fazia reflexões e desabafos sobre a vida e seus sentimentos. 

Eu cansei de dividir essas duas veersões, por isso o mashup aparecerá mais vezes nessa página.

Para finalizar, eu acredito que tenha dado para entender que quero me reconectar com aquilo que eu sempre gostei de fazer, que é me expressar, seja através de um texto, ensinando, compartilhando algo que li, sem aquela obrigação, mas com o coração aberto para aprender coisas novas e me desapegar um pouco de alguns formatos que eu mantive em todos esses anos.

Esse espaço continua sendo um refúgio para mim e fico muito feliz dele crescer e evoluir junto comigo. E fico feliz de ter você aqui acompanhando esse processo. Obrigada.

Favoritos?

Photo by Christin Hume on Unsplash

Esse post é um daqueles que ficaram nos rascunhos e que eu acabei me esquecendo, mas gostei da reflexão, mesmo depois de 2 anos e meio de ter escrito. (11/dez/18)


Nesse momento estou escutando V E R do AMEN JR e relembrando o show maravilhoso que aconteceu em Curitiba no dia 07/12/18 e depois desse show muitas coisas aconteceram

Estava olhando alguns arquivos antigos, como a minha lista de favoritos do Google. E me deparei com algo que até então não tinha parado para pensar. Algumas coisas da minha adolescência eu comecei a entender só agora. Eu tinha dificuldade de diferenciar o que era favorito do que era apenas uma coisa legal que eu vi na internet. Quando eu via um site legal já adicionava nos favoritos para não perder, se eu procurava alguma dica sobre determinado assunto, também salvava, algum produto que eu queria muito entrava na lista.

E assim a minha lista ia aumentando a cada dia, eu criava pastas e subpastas para cada área da minha vida tentando deixar tudo de forma organizada. E mantive essa lista enorme de favoritos no meu computador por anos, algumas vezes eu passeava por ela dando adeus para alguns links, mas ela continuava enorme.

Dessa forma, isso me fez refletir. Sempre tive dificuldade de separar as coisas, de criar "prioridade" Por exemplo, quando estava no ensino médio eu incluía todas as pessoas que conversavam comigo no colégio no campo "amigos", mas na verdade a maioria não sabia nada sobre mim nem eu sobre eles, entende? Na época, talvez eu fazia isso por insegurança de ficar sozinha. Não que tenha mudado muito do que sou hoje.

O ponto é que talvez você seja parecido comigo em algum aspecto da sua vida, não tem separado tudo de forma correta e tem sentido algo como sufocamento. Pois é, eu me sinto por várias vezes assim em relação a muitas coisas, mas tomo consciência de que eu me sobrecarreguei, e não foi só de trabalhos, conteúdos para estudar, papeis no meu quarto, mas também de pessoas que para mim eram melhores amigos, de conceitos sobre minha personalidade, meu estilo de vida, autocrítica, sobre tudo. E agora eu percebo que já passou da hora de mandar embora aquilo que não condiz com quem eu sou.

O que eu estou dizendo aqui, não é para você eliminar as pessoas da sua vida, mas encarar as pessoas como pessoas e dar valor àquelas que estão realmente próximas, que te dão importância, que te conhecem. A gente já sabe muito bem que é impossível agradar a todo mundo, e com uma infinidade de pessoas ao seu redor com certeza não vamos agradar a todos. 

Nesse momento, além de escrever esse texto estou eliminando boa parte dos favoritos, assim, como me livrando de alguns rascunhos antigos, tô me sentindo bem melhor, tenta você também.

Resenha: Roube como um artista - Austin Kleon

Isso mesmo que vê leu no título, uma resenha depois de muito tempo aqui no blog. Eu sempre gostei de compartilhar sobre os livros que li, as minhas considerações e tudo o mais, mas à vezes isso se perde no meio do caminho e eu me esqueço. Ainda mais, no meio de uma pandemia que a percepção de tempo e espaço ficou afetada.

Em 2020 eu li alguns livros, a maioria de gente que eu nunca ouvi falar e que estavam disponíveis no Kindle Unlimited, que confesso ter sido uma das melhores assinaturas que fiz. 

No caso, eu já tinha ouvido falar sobre esse livro, muito bem por sinal. Roube como um Artista do Austin Kleon foi o queridinho de muitas pessoas aqui na internet e eu com certeza tinha que conferir. Confesso que estava esperando mais do mesmo, sabe? Aquelas dicas mais batidas que o sino da igreja? hahaha

Mas me surpreendi. E muito.

O livro conta com diversas sacadas muito boas, chacoalhões de dar vontade de sair roubando por ai. Além da estética muito bonita, até para o ebook, o que me chamou bastante atenção, muitas ilustrações e frases marcantes. Fiquei com vontade de ter o livro físico para sempre que eu quisesse verificar algo.

Bons artistas copiam, grandes artistas roubam - Pablo Picasso

Uma das coisas que mais me chamou a atenção foi o capítulo que falava sobre manter hobbies. Quem me conhece sabe que eu faço de tudo um pouco e por muito tempo eu me criticava por não ser boa o bastante em pelo menos uma coisa só, mas o que ele explica nesse capítulo é que os hobbies são a fonte de energia para o trabalho. E que alguma hora o trabalho vai ficar chato, e nada melhor do que ter algum hobbie que possa ser fonte de inspiração e deleite para nossas mentes.

Uma das coisas que Austin afirma tanto no livro quanto na sua palestra no TEDx é que nós somos uma mistura (mashup) das coisas que deixamos entrar na nossa vida.

O que me faz pensar que nesse ano esquisito, eu me refugiei poucas vezes na escrita, muitas vezes foi a dança, ou a colagem, ou o desenho, ou os tiktoks (hahha novo 'talento' encontrado), ou até uma caminhada. Isso é poderoso demais.

Ainda sobre o livro, a leitura é muito leve e tranquila, eu decidi ler bem lentamente para absorver cada ensinamento, mas pode ser facilmente lido em alguns horas dias se você quiser.

Outra coisa que Kleon ensina é ter um caderno de furtos, um local onde você coloca todas ideias roubadas, e você pode deixar elas dormindo ali por um tempo até que elas se juntem com outras ideias e mais outras até que você tenha uma ideia "nova".

Esse caderno pode ser digital ou fisico, fica a teu critério. Eu gosto de intercalar entre as duas formas, pois o analógico me faz ter contato um pouco mais presente com a arte, mas o digital me ajuda a armazenar todas as informações num só local.

Se for para dar uma nota seria 4/5 - porque sou difícil, mas recomendo muito o livro para instigar a sua criatividade e ajudar a roubar ideias por aí.